quarta-feira, 29 de junho de 2011

Manifesto aos trabalhadores não grevistas


NOSSO MOVIMENTO É ENFRAQUECIDO QUANDO OS EDUCADORES ABREM MÃO DA SUA CONDIÇÃO DE DENÚNCIAR 

1 - A luta por direitos sociais é a lição mais sublime que um educador, um profissional da educação pode oferecer aos seus alunos.

2 - Nossa greve, para além das reivindicações imediatas como piso salarial, posse dos aprovados e classificados no concurso, horas atividades para os interinos e mais recursos para a educação, é a luta por um projeto de educação para que em Mato Grosso, um Estado de enormes riquezas, possa, por meio da educação, possibilitar aos seus filhos: a aprendizagem de qualidade e a profissionalização necessária. Enfim, que pela inclusão educacional com escola pública de qualidade todos/as tenham acesso à cidadania.

3 - O atual estágio das escolas públicas em Mato Grosso, com carência de infraestrutura física, pedagógica e de pessoal, resultado da retirada e da falta de investimentos financeiros por sucessivos governos do Estado, inclusive o atual, aponta apenas para o alargamento da nossa tragédia educacional: produzir analfabetos funcionais.

4 - A presença de parte dos/as trabalhadores da educação na continuidade das atividades, no período de greve, os tornam coniventes e cúmplices das políticas de precarização da escola pública, oriundas dos governos neoliberais que condenam a maioria de nossos alunos ao analfabetismo funcional, ao desemprego, ao subemprego, à violência e à criminalidade, enfim, à exclusão social e a morte.

5- Nosso movimento é enfraquecido quando os/as educadores/as, formadores de opinião que são ou que deveriam ser, abrem mão de sua condição de denunciar, com seu próprio ser, as infames políticas financeiras, tributárias, de saúde, de educação que condenam a maioria da população a viver na mendicância social.

6 - Saibam todos/as aqueles/as que se negaram a luta ou se negam a continuar nossa luta nesse momento mais agudo que é a greve, que os políticos corruptos, os políticos vigaristas, os pilantras, os lacaios e seus assessores e apaniguados que estão nos órgãos que lhes dão sustentação (inclusive na nossa estrutura educacional em Mato Grosso) vos aplaudem por não se comprometerem com a luta da maioria do povo por escola pública e de qualidade.

7-. Agindo dessa forma vocês abrem mão de sua condição primeira e essencial que é educar para a vida. Abrem mão também de sua condição de sujeito histórico que agem em busca de transformação das realidades desumanas.

8. Queremos convocá-los/as para a luta por escola pública e de qualidade socialmente referenciada que vai continuar e, como nas palavras do nosso querido professor Paulo Freire, possamos assim, todos/as juntos, dizer:

"Minha presença no mundo não é a de quem a ele se adapta, mas a de quem nele se insere. É a posição de quem luta para não ser apenas objeto, mas sujeito também da história."

segunda-feira, 27 de junho de 2011

REDE MUNICIPAL CONTINUA COM O ESTADO DE GREVE ATÉ O DIA 14/07

Em Assembléia Geral ocorrido no começo da noite de hoje os Profissionais da Rede municipal decidiu continuar até o dia 14/07 ficar em ESTADO DE GREVE e no dia 15/07 realizar uma ASSEMBLÉIA GERAL para deflagrar a GREVE ou NÃO.


Os profissionais da Educação, não conseguiram realizar os estudos dos balancetes envidados pelo PODER executivo.

Com isso a comissão de negociação terá mais 18 dias para conseguir provar ao executivo que há recursos para pagar o PISO de R$ 1.312,00.

Os balancetes chegaram ao SINTEP com 10 dias de atraso, isso ocasionou o retardamento nos estudos.

Outro ponto que foi falado na Assembléia é que existe uma porção de irregularidades na folha de pagamento, e que há necessidades de enxugamento.

A comissão devolveu LOPEB ao executivo e esperava ser chamada para acertar os pontos que ainda faltavam discussões. O que aconteceu foi que o prefeito enviou a LOPEB a Câmara com a tabela do apoio errada.

O sintep pediu a CÂMARA uma cópia para comparar a LOPEB enviada pela COMISSÃO DE NEGOCIAÇÃO.

Na ASSEMBLÉIA foi nítido que os PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO estão querendo cruzar os braços, mas decidiram esperar mais esses 18 dias.

"A greve continua, Silval a culpa é sua!", afirma categoria


Em assembleia geral realizada hoje (27), trabalhadores da educação votam a continuidade da paralisação

Os trabalhadores da educação decidiram aprovar a continuidade da greve até que as reivindicações sejam atendidas, em assembleia geral realizada na tarde de hoje (27), na Escola Estadual Presidente Médici, em Cuiabá, com representantes de mais de 50 municípios. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), Gilmar Soares Ferreira, "a afirmação do governo de que a greve é ilegal nunca foi e continuará não sendo um problema para o sindicato".
Gilmar Soares acrescentou que os trabalhadores da educação repudiam as atitudes da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (Seduc/MT) e seus órgãos, que tentam pressioná-los a voltar ao trabalho. "Nossa pronta resposta é que não suspenderemos a greve e iremos recorrer da liminar até a última instância. Não baixamos a cabeça para essa elite que desvia recursos da educação", afirmou o presidente. Os estudos do sindicato já comprovaram que é possível a implantação imediata do piso salarial de R$1.312, 00, uma das reivindicações dos profissionais da educação.
Cerca de 70% das escolas estão paralisadas em todo o Estado e o movimento procura cada vez mais o apoio dos trabalhadores que não aderiram à greve, da população e dos estudantes. Por isso, a categoria também condicionou a suspensão da greve com, no mínimo, a apresentação de uma proposta alternativa nas questões reivindicadas e decidiu realizar atos em todas as cidades de Mato Grosso para fazer pressão junto às autoridades, ao Governo Itinerante e aos parlamentares de cada região. Além disso, fortalecerá a presença dos grevistas no acampamento, que permanecerá montado na Praça Ulisses Guimarães, em Cuiabá, e aprovará um manifesto de convocação de luta aos trabalhadores que não paralisaram as atividades. Na próxima quinta-feira (30), às 14h, será realizado um ato público para manifestar publicamente contra a decisão do desembargador José Tadeu Cury de declarar a ilegalidade do movimento com o slogam: "Ilegal é o Tribunal" e "De forma ilegal age o governo". O local será definido pelo Sintep/MT.
Os trabalhadores da educação lutam pela implantação imediata do piso salarial de R$ 1.312,00, mas também pelo pagamento das horas atividades para professores contratados, pela posse imediata dos professores aprovados e pelo avanço na lista dos classificados nos concursos. O movimento é para garantir que os professores tenham condições de se dedicar integralmente aos seus alunos, sem precisar ter dois ou mais empregos. Além disso, é preciso investir na estrutura das escolas para que educação de qualidade seja levada à população.
A luta continua- A atitude lamentável do governo do Estado, de não dar importância e o investimento necessários para a educação, impulsiona o movimento e dá forças aos trabalhadores para lutar pelas reivindicações. Segundo o professor contratado do Estado, Robinson Cireia, "não podemos aceitar voltar ao trabalho pela espada de um governo controlador. Temos que aumentar a mobilização".
João Pinheiro, professor efetivo da rede estadual, reiterou a importância do movimento. "Esse é um momento crucial. Esse governo não tem vergonha na cara, estão fazendo todos os trabalhadores da educação de escravos. Nós não podemos deixar isso em branco. Vamos mostrar que o sindicato não tem medo e luta pelos nossos direitos", frisou o professor.
A busca por mobilização levou o aluno e presidente do grêmio estudantil da Escola Estadual Liceu Cuiabano, Victor Hugo Silva Teixeira, a discursar em favor dos profissionais da educação e manifestar seu total apoio à causa. "Os professores precisam explicar dentro de sala de aula a importância de lutas como essa, precisam politizar os alunos. A maioria deles nem sabe o que está acontecendo, por isso não está aqui. Sinto vergonha da decisão da minha escola de retornar as atividades. Proibir a greve é ir contra a liberdade democrática. Os alunos são enganados, acham que estão sendo ensinados, que estão aprendendo algo, mas não estão", denunciou o aluno.
Fonte: Pau e Prosa Comunicação

MENSAGEM


Certa vez, um homem pediu a Deus uma flor e uma borboleta. Mas Deus lhe deu um cacto e uma lagarta. O homem ficou triste, pois não entendeu o porquê do seu pedido vir errado.
Daí pensou: Também, com tanta gente para atender... E resolveu não questionar.
Passado algum tempo, o homem foi verificar o pedido que deixou esquecido. Para sua surpresa, do espinhoso e feio cacto havia nascido a mais bela das flores e a horrível lagarta transformara-se em uma belíssima borboleta.
Deus sempre age certo. O seu caminho é o melhor, mesmo que aos nossos olhos pareça estar dando tudo errado.
Se você pediu a Deus uma coisa e recebeu outra, confie. Tenha a certeza de que Ele sempre dá o que você precisa, no momento certo.
Nem sempre o que você deseja..., é o que você precisa. Como Ele nunca erra na entrega de seus pedidos, siga em frente sem murmurar ou duvidar.
O espinho de hoje..., será à flor de amanhã!

SE NÃO HOUVER PROPOSTA GREVE CONTINUA.....DIZ SINDICALISTA

Sissy Cambuim


Notificado pelo Tribunal de Justiça (TJ) para suspender a greve num prazo de 72 horas, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação Pública (Sintep), Gilmar Ferreira, se mantém firme na decisão de continuar com a paralisação iniciada no começo deste mês. A categoria realiza uma assembleia-geral nesta segunda (27), às 14h.
Nem a baixa temperatura, nem a decisão da Justiça desanimou os professores, que permanecem acampados sob o monumento Ulysses Guimarães, na avenida do CPA. Diante da situação, a diretoria do Sintep se reuniu, na tarde deste domingo (26), com representantes de 54 municípios atingidos pela greve na sala de convenções do Hotel Veneza, para deliberar os indicativos da assembleia-geral.
“Caso o governo não nos apresente uma proposta alternativa, a greve permanece”, ressaltou Gilmar.
Apesar de ter sido notificado na semana passada, o prazo estipulado pelo TJ para o fim da paralisação começa a contar a partir da publicação no Diário de Justiça. Segundo o sindicalista, até sexta (24) a determinação ainda não tinha sido publicada.
Desta forma, os professores têm, pelo menos, até a próxima quarta (29) para manter a paralisação sem o risco de multas. Estima-se que para cada dia de greve depois de expirado o prazo determinado pela Justiça, seja aplicada uma penalização de aproximadamente R$ 50 mil. “Várias vezes nossas greves já foram declaradas ilegais, mas nunca pagamos um centavo de multa”, informou Gilmar.
Para ele, ilegal é a situação do ensino público no Estado. “Estamos lutando por uma educação de melhor qualidade e dessa decisão a gente não abre mão”, declarou o presidente do Sintep. Restam cerca de dez dias letivos no primeiro semestre e, se os professores voltarem às salas de aula, os alunos poderão ter as férias de julho comprometidas.
Eles reivindicam aumento de 15% no piso salarial, mas o Governo ofereceu um reajuste de 10% e a promessa de incorporar os outros 5% em dezembro. A contra-proposta não agradou a categoria que, agora, espera novidades para poder voltar às salas de aula. A secretária de Estado de Educação, Rosa Neide Sandes (PT), garante que a convocação dos aprovados no concurso público do Estado, outro pleito dos professores, será concluída em agosto, antes do início das aulas do segundo semestre.

domingo, 19 de junho de 2011

O SINTEP RECEBEU OS DOCUMENTOS......


O SINTEP RECEBEU NA SEXTA-FEIRA OS DOCUMENTOS DO PREFEITO JUVINO LINCOLN, OS DOCUMENTOS CHEGAM COM MAIS DE 10 DIAS DE ATRASOS. RESTA AGORA A COMISSÃO ESTUDAR ESTE BALANCETES PARA CONFRONTAR OS CALCULOS DO PREFEITO COM OS CÁLCULOS DO SINDICATO.
SERÁ QUE VAI DAR TEMPO????

SÓ LEMBRANDO QUE O PRAZO PARA UM POSIÇÃO DESTE ESTUDO É ATÉ O DIA 22/06/2011.

A CATEGORIA ESTÁ EM ESTADO DE GREVE, PELO PISO, PELA APEROVAÇÃO DA LOPEB......

quinta-feira, 16 de junho de 2011

ENTRARAM DE GREVE A REDE MUNICIPAL.....VIVA!

Professores mantém greve e vão fazer "acampamento" em praça

Patrícia Sanches


     Após realizar nova assembleia-geral, nesta quinta (16), na escola estadual Presidente Médici, cerca de 300 professores decidiram manter, por tempo indeterminado, a greve e a busca por melhorias salariais. A classe promete ainda fazer uma espécie de “acampamento” na praça das Bandeiras, localizada no Centro Político de Cuiabá. Eles querem demonstrar a sua insatisfação com a condução do Paiaguás em relação ao movimento grevista e prometem mobilizar docentes de todo o Estado.
    A paralisação começou na última segunda (6). Na oportunidade, durante uma audiência tensa na Assembléia, os grevistas apresentaram as suas reivindicações. Dias depois, inclusive, foi realizada uma reunião com o governador Silval Barbosa (PMDB), mas até agora não houve acordo. Os professores querem um piso salarial de R$ 1,3 mil, além da convocação de todos os concursados.
     A secretária estadual de Educação Rosa Neide Sandes, por sua vez, garante que não há orçamento para tanto. Com a paralisação, cerca de 450 mil estudantes estão sem aula nas 724 escolas de Mato Grosso.

Fonte – www.rdnews.com.br

REFLEXÃO

BOM DIA !!!!!!!!!!!!!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

ASSEMBLÉIA GERAL EM CUIABÁ

Caros colegas!
Haverá Caravana para Cuiabá, no dia 16/05/2011.
Aqueles que tiverem interesse para ir, ligar: ou mandar Email: luizaduarteeduca@hgotmail.com   / sintepdiamantino@hotmail.com/ odemarmendes@hotmail.com; lorensollua@hotmail.com

OBS: O Prof. Odemar, Cel. 9962-1610 e a Prof. Lorena da Escola Murtinho, Cel.9902 8118, ficarão responsáveis pela organização da ida para  Cuiabá-

As escolas deverão fazer levantamentos dos profissionais que vão e  Ligar ou mandar E-mail amanhã no período matutino -14/05/2011 até ás 11:00h  para Prof. Luíza.

Após, aguardar informações mais precisas, em relação a horários.
Nós temos 20 vagas. Vamos dividir ônibus com Alto Paraguai.

Att,

ESCOLA ESTADUAL "SERRA AZUL", DECIDE VOLTAR AS AULAS.....

Em reunião nesta sexta-feira dia 10/06, a Escola Estadual  "Serra Azul", decidiu retornar as aulas, a referida escola ficou apenas 5 dias de GREVE, com isso apenas as Escolas Plàcido de Castro e Dr. Manoel José Murtinho, continuam com suas atividades paralizadas.

O CURSO DE ADMINITRAÇÃO DA FID SAI NA FRENTE.....

FID trabalhou temáticas voltada a RESPONSABILIDADE SOCIAL toda a semana, além de palestras para que os acadêmicos sejam a força desta mudança em nosso meio Ambiente.

QUEM PODE, PODE....FAZER O QUÊ?

QUEM ESTEVE PALESTRANDO NA CIDADE DE JACIARA FOI A AMIGA E COORDENADORA DO CURSO DE ADMINSTRAÇÃO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE DAMANTINO (FID) CLEIDE ANZIL....SUCESSOS MIL!!!!!!!!

domingo, 5 de junho de 2011

A disputa política que arruinou Diamantino


A iminência de uma decisão do Pleno do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de Mato Grosso, sobre a disputa eleitoral em Diamantino não vai devolver ao Município o prejuízo causado pela alternância de poder, ora nas mãos de Erival Capistrano e ora nas mãos de Juviano Lincoln, mas traz de volta a normalidade perdida, que vem desde o resultado das eleições de 2.008.
O prefeito afastado Erival Capistrano se apóia no resultado do pleito, invoca que a vontade do povo não foi respeitada e critica a maneira arbitrária que foi posto fora do cargo. Seu processo se arrasta lentamente na Corte Eleitoral e ele se defende afirmando que não poderia ter deixado a função, antes do processo transitado e julgado.
A disputa em curso jamais será esquecida, não apenas porque foi decidida pela caneta de um juiz, no tribunal e quem ganhou não levou, mas sobretudo, porque arruinou Diamantino, piorou o que já estava ruim e acrescentou atraso histórico de décadas ao Município, cujos tentáculos têm um pé no presente e uma grande ponta no passado. Na última década, por exemplo, o crescimento populacional de Diamantino foi tão inexpressivo que chegou próximo a 700 habitantes, segundo a contagem do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Atualmente, a desculpa é a troca de prefeito; agravado por causa da incapacidade da gestão em andamento.
A briga judicial começou antes mesmo da posse do prefeito Erival Capistrano. Mais tarde, foi tirado dele o cargo e negado a jurisprudência de se permanecer na função até o transitado e julgado do processo, na última instância da Justiça.
A disputa pela cadeira de espaldar do Palácio Parecis vai além do desdobramento do ‘Caso Arduíno’, no qual comprovou as irregularidades na prestação de contas de campanha do Cartorário, nas eleições de 2.008 e imbica na antiga rivalidade política entre oligarquias da cidade que revezam no mando da política local por anos a fio.
Na altura do tempo, já passado a metade do atual mandato, que termina no ano que vem, o interesse do Cartorário em voltar ao cargo é mais uma questão de dignidade pessoal para recuperar a honra e lavar a alma, do que cumprir algum programa político ou implantar a moralidade na gestão pública municipal, pois o mandato presente já se foi. Fora disso é dar murro em ponta de faca. Erival Capistrano já entrou com um processo eleitoral andando e ficou sozinho, sem apoio político dentro e fora de Diamantino. Além de tudo, arrumou desavença com gente graúda, como o então governador Blairo Maggi e ainda feriu o brio do ministro Gilmar Mendes, seu inimigo, na Carta Capital. Na Prefeitura passou incógnito, sem deixar marca de reconhecimento. Na conjuntura desenhada, dificilmente retoma o cargo. Logo, a saída mais honrosa para o Cartorário é desistir da reconquista da Prefeitura para não perder prestígio e nem ser cúmplice do sepultamento econômico do Município.
No embate, a Prefeitura foi de graça para Juviano Lincoln, o segundo colocado nas eleições municipais; mas com um agravante. Suas contas de campanha foram reprovadas pela Justiça da 7ª Zona Eleitoral, numa sentença dada pela juíza Helícia Vitti. Em condição semelhante, o prefeito de Alto Paraguai, Adair José Alves Moreira foi afastado duas vezes do cargo, o que dá a entender que Juviano Lincoln tem uma blindagem que o protege e o mantém indefinidamen-te, no cargo.
Mas no cargo, o prefeito não está sendo eficiente como o é na articulação para não perder a função executiva do Município. A inércia de sua gestão desarticulou o crescimento municipal e não executou ação tão simples, como a manutenção da cidade, o funcionamento da saúde e educação; num evidente sinal de despreparo para ocupar o cargo, ficando bem longe da expectativa da população, que esperava mais competência do gestor municipal.
Nesse ritmo, a administração atual não vai demorar muito para se igualar ao do prefeito Batistinha, considerada a pior, da história de Diamantino.
Por coincidência, Juviano Lincoln foi secretário daquela desastrada administração. Portanto, não é difícil saber a origem dessa crise que engoliu Diamantino. Alheio, Juviano Lincoln não demonstra ter culpa ou constrangido pelo mal que está causando ao Município.
Bem ao lado, vindo do Palácio Urbano Rodrigues Fontes, ecoam as críticas contra o prefeito, feitas pelos vereadores. Inclusive de alguns os aliados do alcaide.
O vereador Edevaldo Alves Teixeira, o Jabuti, a principal voz de oposição na Câmara, acusa o prefeito municipal de malversação de dinheiro público e favorecimento à correligionários políticos. As denúncias foram encaminhadas ao Ministério Público pelo próprio vereador.
O parlamentar diz que está formando novas provas, para então oferecer desta vez, denúncias ao Tribunal de Contas do Estado e ao Ministério Público, na Capital. São denúncias gravíssimas que podem comprometer o prefeito Juviano Lincoln, afirmou o vereador Jabuti.
As provas finais certamente irão revelar também o lado obscuro do prefeito.


matéria veiculada no JORNAL AGORA

sábado, 4 de junho de 2011

RECOMEÇAR


Não importa onde você parou …
em que momento da vida você cansou…
o que importa é que sempre é possível e necessário “Recomeçar”.

Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo…

é renovar as esperanças na vida e o mais importante…
acreditar em você de novo…
Sofreu muito nesse período? Foi aprendizado.
Chorou muito? Foi limpeza da alma.
Ficou com raiva das pessoas? Foi para perdoá-las um dia.
Tem tanta gente esperando apenas um sorriso seu para “chegar” perto de você.

Recomeçar…

hoje é um bom dia para começar novos desafios.
Onde você que chegar?
Ir alto… sonhe alto…
queira o melhor do melhor…
pensando assim trazemos pra nós aquilo que desejamos…
Se pensarmos pequeno coisas pequenas teremos ….
Já se desejarmos fortemente o melhor e principalmente lutarmos pelo melhor, o melhor vai se instalar em nossa vida.
“Porque sou do tamanho daquilo que vejo, e não do tamanho da minha altura.”
 
Carlos Drummond de Andrade

NOTA DE REPÚDIO


Sintep/MT repudia toda e qualquer ameaça aos educadores/as

Nota de repúdio


A Direção do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) vem a público repudiar qualquer tentativa de intimidação dos/as trabalhadores/as que irão exercer seu direito inalienável de suspender as atividades em adesão à greve, na luta por melhores condições de trabalho e de salário, a partir do dia 06 de junho de 2011.
A Direção do Sintep/MT tem conhecimento de e-mails encaminhados pela Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (Seduc/MT) às unidades escolares num claro indício de pressão moral sobre os educadores/as, uma vez que se trata de comunicação em processo, o que cria expectativa na categoria.
A Direção do Sintep/MT reafirma o direito de todo/a trabalhador/a de lutar por seus direitos. A decisão de iniciar a paralisação foi aprovada pela Assembleia Geral e cabe a cada profissional da educação fazer valer esta deliberação na unidade escolar, sem que sinta-se pressionado pelos gestores seja do órgão central, seja das assessorias pedagógicas, seja da direção das escolas.
Não abrimos mão dos nossos direitos, como não deixaremos de cumprir com nossos deveres. Apenas exigimos respeito às decisões da categoria que luta para que os filhos e filhas de toda a população tenham acesso a uma escola que possa garantir aprendizagem de qualidade.
Não é possível escola de qualidade com sonegação de recursos para a educação. Portanto, nossa luta é pelo piso de R$ 1.312,00 de imediato, pela posse imediata dos aprovados e classificados nos concursos, por horas atividades para os professores interinos e por mais recursos para a educação.

Sintep/MT - Livre, democrático e de luta!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Policia Judiciária Civil prende vereadores da cidade de Alto Paraguai



Policia Judiciária Civil prende vereadores da cidade de Alto Paraguai.


A operação " Alcaide" foi desencadeada pela Policia Judiciária Civil da Delegacia Fazendária de Cuiabá. Participaram da operação 12 policiais civis e dois delegados. Comandaram o operação os Delegados, Drª Alana Derlene Sousa Cardoso e o Dr. Lindomar Aparecido Tófoli e começou por volta das 5 horas da manhã. O Delegado Civil, Wilson Leite, da Regional de Diamantino, também deu apoio à operação "Alcaide".
De casa em casa os mandados de busca e prisão expedidos pelo Juíz, Dr. Luiz Fernando Voto Kirche foram cumpridos. No final de março começaram as investigações após denúncia de que os vereadores de Alto Paraguai, estariam cobrado propina para aprovarem os projetos de lei e até manterem o prefeito no cargo.
Escutas telefônicas e gravações de vídeo confirmam as denúncias. Os vereadores: Jason Alves de Souza, Gilbert de Lima, Milton Campos, Aluízio Carvalho, Valdeci Chagas e o ex-prefeito de Alto Paraguai,Alcenor Alves, que já foi preso na Operação Asafe.
Mais duas pessoas ainda não foram localizadas pela policia. Provavelmente mais um vereador ainda deverá ser detido, que faz parte do esquema. A Delegada Alana Cardoso disse que eles cometeram provável crime contra a ordem pública, provável desvio de recursos públicos da Câmara de Alto Paraguai e o chamado "mensalinho", que eles estariam cobrando do prefeito Adair José Alves Moreira.
A prisão dos envolvidos deverá durar cinco dias. Agora eles serão ouvidos pela polícia, que começa a montar o inquérito policial. O vereador Jason de Souza disse que ele e os demais vereadores não sabem o motivo das suas prisões. Vários documentos e computadores da câmara de Alto Paraguai foram recolhidos pelos policiais.



fonte - http://www.tvpisom.com.br/

ASSEMBLEIA GERAL


O SINTEP CONVOCA TODOS OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO DE DIAMANTINO DA REDE MUNICIPAL. PARA UMA ASSEMBLÉIA GERAL


DIA - 02/06/2011

LOCAL - ESCOLA ESTADUAL "IR. LUCINDA FACCHINI"

HORÁRIO - 17:30 H

ASSUNTO - DIVERSOS